Recomendações

(25)
Eduardo Sefer, Advogado
Eduardo Sefer
Comentário · há 11 meses
Conhecendo a adesão ideológica do comentarista, não me surpreende nem uma vírgula. Mas, como de costume, os pressupostos e a conclusão estão errados.

A um, a escolha de não-escolher é uma opção. Uma opção extremamente justa - porquanto não seja a minha - e mais sensata que conscientemente utilizar a cidadania em prejuízo da nação.

Covardia, sim, é apostar num projeto que sabe fracassado, com medo de outro que não se dispõe a enfrentar de outra forma. É, com medo de algum bicho-papão, apostar em outro bicho-papão.

Andiemo. O Lulopetismo é tudo isso, mas, acima de tudo, é a força dominante da esquerda brasileira. Não deixa de ser por ser corrupto, fisiológico e oportunista, aderente do culto da tirania e do evangelho da inveja.

Aliás, ele é tudo isso por ser de esquerda. Pode não ser honesto quanto ao programa (e precisa ser eleito, não é?), mas temos 14 anos de experiência para saber qual é.

O Bolsonarismo, noutra mão, é o velho conservadorismo pautado no empirismo mais rasteiro. O que usualmente se denomina de "senso comum", que horroriza a classe intelectual e sua metafísica de quinta categoria. Que até então vagava sem representação (e a arraia-miúda sempre anseia por um Weltgeist encarnado para corporificá-la).

Sua raiz não é o cristianismo. É mais profunda; a própria civilização humana é alicerçada nela. Conceitualmente, transcende povos e eras.

Que a razão deve prevalecer, e que os dois últimos séculos remoldaram nosso modo de vida, é inconteste.

Mas a civilização não pode - e não deve - ser sacrificada no altar dos sonhos.

Quando olho para a alternativa ao senso comum, só vejo a utopia em polvorosa. Os crentes do culto da engenharia social, o mais nefasto dos rebentos do iluminismo, em estado de histeria.

Sim, você chama isso de conquista. De progresso. Mas o que vejo é a bancarrota moral; o convite à tirania e à escravidão; e a marcha rumo ao abismo.
José Roberto, Administrador
José Roberto
Comentário · há 11 meses
Rodrigo:

Você já foi militar?
Eu fui e a continência militar é como um aperto de mãos. Vira costume. Não se intimide com ela.
A tortura não é permitida no Brasil. Esqueça essa possibilidade.
Você rejeita um governo oriundo de um quartel militar, mas aceita um governo comandado por um presidiário condenado por corrupção. Eu não entendo isso.
Quanto ao conselho de notáveis, eu sou a favor, mas ele precisa ser explicado.
Partindo do princípio que nosso congresso está desmoralizado pela corrupção, não poderíamos dar as chaves das celas aos presidiários, não é mesmo.
Quem são os notáveis? São pessoas do povo que não possuem cargos políticos e que representem as mais diversas categorias . São pessoas escolhidas por sua categoria ou meio por se destacarem por caráter, dignidade, postura etc.... Assim teríamos um grupo formado por estudantes, engenheiros, professores, médicos, operários etc. Não seriam assalariados ou teriam qualquer poder em mãos. O sentido disso seria corrigirmos o que fosse necessário em nossa constituição para que nunca mais ficássemos como agora, nas mãos de pessoas comprometidas com ilícitos e o país, afundando cada vez mais em uma crise sem fim.
Esse conselho, seria absolutamente democrático. Eu gosto da ideia.
Bem, quanto a honestidade, Bolsonaro não responde a nenhum processo e Hadad se diz LULA, que é reconhecidamente ladrão do estado. Contra o próprio Hadad já existem indícios de corrupção.
Não podemos pensar em um governo Bolsonaro como um governo militar. Será um governo como qualquer outro. Ele tem histórico militar, o que não modifica as características do governo.
Bem, sou contra o estatuto do desarmamento, embora de bom grado, trocaria minha arma por mais segurança no país. O que não pode acontecer, é o que tem acontecido, de apenas a população ser desarmada e ficar à mercê de bandidos.
Hadad se diz Lula, que é corrupto condenado. Como pode falar em democracia e corrupção usando essa comparação?
Quanto a corrupção em estatais e não estatais, a diferença é lógica, sequer preciso falar sobre isso.
Quanto a entrevistas, concordo com vc que Hadad é mais preparado para elas. Não diria que isso é bom, ou mesmo fundamental. Sou a favor da verdade, mesmo que dita de forma menos clássica.
Quanto ao emparelhamento do judiciário, não se iluda. O PT não obteve do judiciário, o que esperava.
Isso é muito diferente de "não emparelhar".
Abraços e grato por ter se dedicado a responder com tanta atenção aos detalhes.
Novo no Jusbrasil?
Ative gratuitamente seu perfil e junte-se a pessoas que querem entender seus direitos e deveres

ANÚNCIO PATROCINADO

Outros perfis como Mayara

Carregando

Mayara Cury

Entrar em contato